home Ponto, TEATRO Retrato de Família: O(s) ensaio(s) – TeCA, 4/10/2017

Retrato de Família: O(s) ensaio(s) – TeCA, 4/10/2017

Duas cenas desoladas. Duas encenações que dirigem o olhar para o essencial, desprezando o acessório. Com o seu minimalismo, a encenação de Manuel Tur concentra tudo no drama de personagens que se desenrola diante do espectador. O ambiente familiar, que poderia ser intimista, é, pelo contrário, frio (a mãe de O Pelicano queixa-se de uma corrente de ar), nada tem de acolhedor. Muito mais cela do que espaço de domesticidade, a cena alberga a dor. Famílias que existem por mero acaso da biologia, ou da debilidade do seu estatuto económico, todo o convívio que nelas haja, é contrariado, belicoso ou violentador.

Em cena, estão duas peças que fazem do universo familiar um campo de batalha. Dois dramas que criam seres em perda irreparável, que se movem em terra de ninguém. Entre mortos e feridos, toda a paz é ilusória, passageira, ou falsa. Eis o universo familiar como terreno minado, em cima do qual qualquer passo pode levar à explosão derradeira.

O vocabulário bélico não surge ao acaso. Quer O Pelicano, de August Strindberg, quer A Tatuagem, de Dea Loher, traçam autênticos cenários de guerra. Qualquer semelhança entre os laços de família que unem estas personagens e o baraço que cinge o enforcado será tudo menos pura coincidência. A tensão e a violência são marcas indeléveis destas vidas, que decorrem sob o espectro da morte. Em Strindberg, o descalabro que se segue à morte de um pai; em Loher, o despotismo e o abuso, em vida de um pai que semeia o extermínio em seu redor. Se no dramaturgo sueco importava a «guerra dos sexos» (expressão sua) e a tirania da mulher (tópico de eleição neste dramaturgo conhecido pela sua misoginia), na dramaturga alemã, é fulcral a tirania paternal, o abuso psicológico e sexual, a brutalidade da força. Em ambos os casos, a família é sufoco e palco de guerra.

Retrato de Família estreia no Teatro Carlos Alberto.
– O Pelicano de August Strindberg:  12-21 Out
– Tatuagem de Dea Loher: 25-29 out 

Para mais crítica de Teatro, leiam AQUI.

Fotos © Diana Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *