home Ponto, TEATRO TNSJ apresentou programa do 1º trimestre

TNSJ apresentou programa do 1º trimestre

O Teatro Nacional S. João (TNSJ) apresentou o seu programa para o primeiro trimestre e as novidades são excelentes.

A abrir 2017, entre 5 e 29 de Janeiro, os Clã e Regina Guimarães estreiam no Teatro Carlos Alberto (TCA) o seu novo espectáculo , em que, aproveitando ideias do célebre musical “O Fantasma da Ópera” de Andrew Lloyd Webber, assim como do texto original de Gaston Leroux, transforma o fantasma em “fantasputo” traquinas e curioso, que ajuda uma cantora a descobrir todo o seu potencial. Espera-se um evento cativante e inteligente para todas as idades, com miúdos e graúdos agradados pela fuga ao tédio das cores do arco-íris e dos bonecos felpudos com pessoas dentro, com pouco mais a dizer do que as rimas costumeiras e os ditongos aleatórios.

Entre 26 e 28 de Janeiro no TNSJ, a Companhia de Olga Roriz regressa ao Porto com a nova produção Antes Que Matem os Elefantes, estreada em Abril do ano passado em Ílhavo. Alepo e toda a sua tragédia reenquadrada no espaço de um palco, recriada através do corpo convulso. Sem redenção à vista, perdidos num apartamento em ruínas, sete bailarinos recriam resistência, dor, sem especulação. “E deixa-nos com uma incomodativa pergunta: o que podemos nós fazer aqui?”

É uma peça sobre “como viver para lá do desespero e ainda assim viver”. Assim era apresentada A Noite da Iguana pelo seu criador Tennessee Williams, estreada na Broadway em 1961. O encenador Jorge Silva Melo e os Artistas Unidos, trazem consigo um elenco de luxo, de onde se destacam Nuno Lopes, Maria João Luís e Catarina Wallenstein, interpretando personagens no limite da sua resistência emocional, que uma tempestade faz espoletar definitivamente. O TNSJ recebe um dos eventos teatrais do ano, de 9 a 26 Fevereiro, depois da sua estreia a 19 de Janeiro no Teatro Municipal S. Luis.

Dinarte Branco a solo perante o público, apresenta A Máquina de Emaranhar Paisagens no TCA, entre 23 e 26 Fevereiro ,a partir de textos de Herberto Helder, em que a versatilidade e pujança do poeta e escritor são reafirmados pelo talento do actor e da sua dialéctica próxima com o músico Cristóvão Campos, com quem divide o palco, procurando uma reinterpretação e nova introdução a Herberto Helder, com o corpo e voz a tomarem o protagonismo, procurando “a sua poesia em palco, com os espectadores”. No dia 24, após o espectáculo, a propósito desta reapropriação dramática no universo de Herberto Helder, reunem-se no TCA António Durães, Dinarte Branco, Rosa Maria Martelo, Sara Carinhas e Rui Lage para discutirem Herberto Helder num evento a que chamaram Passagens à cena .

 

os-veran-peq

 

A dramaturgia russa não podia faltar e chega ao TNSJ, entre 9 e 18 março 2017 com Os Veraneantes de Maximo Gorki, encenada por Nuno Cardoso e protagonizada por Albano Jerónimo. Optimismo não abunda neste texto histórico, em que o desencanto e a incapacidade de enfrentar medos, desilusões e o inevitável desconcerto da vida são as nota dominantes.

As Confissões de Santo Agostinho, obra fundamental do pensamento e da cultura ocidentais dos últimos séculos, será encenada por Rogério de Carvalho no TCA entre 17e 26 de Março 2017. O espectáculo terá por foco matérias transversais e abrangentes, logo independentes de qualquer mundividência ou crença. O texto terá por âmago o questionamento do Mal e da própria natureza humana perante o Mundo, pelo que se anuncia aliciante esta produção de As Boas Raparigas com o TNSJ.

Tiago Rodrigues regressa ao TNSJ, com um texto em que reinterpreta a obra prima de Tolstoi Anna Karenina, a que chamou Como Ela Morre. Isabel Abreu e outros três actores e co-criadores levam a cena esta peça entre 22 e 25 Março.

Romeo Castellucci, personagem iconoclasta do teatro mundial, traz Shakespeare na bagagem, ou pelo menos, o que dele resta depois de o estilhaçar, para depois o reagrupar em algo novo e desafiante como inicialmente o foi. No âmbito do BoCA – Biennial of Contemporary Arts, nos dias 30 e 31 Março, o italiano revisita o seu espectáculo Júlio César – Peças Soltas, em que a linguagem e a subversão reinam sobre um cenário em que nada é proibido. Segue-se um seminário sobre a sua obra a 27 de Março e uma masterclass a 28 de Março.

Programa completo AQUI

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *