home LP, MÚSICA Ute Lemper – Teatro José Lúcio da Silva, 20/04/2018

Ute Lemper – Teatro José Lúcio da Silva, 20/04/2018

O festival Música em Leiria, na sua 36.ª edição, convidou para o seu encerramento, no passado dia 20 de Abril, a cantora Ute Lemper. Alemã de nascimento e de nacionalidade, é uma cidadã do mundo. Nasceu a 4 de Julho de 1963, em Munique, e aí viveu antes de passar por Viena, Berlim, Estugarda, Paris, Frankfurt e Londres, para acabar por se fixar em Nova Iorque, onde reside desde 1999.
Com um simples vestido preto, acompanhada por três músicos (piano, contrabaixo e bandoneon), Lemper convida-nos a visitar a história recente da Europa, antes do Muro de Berlim e da Segunda Grande Guerra, de volta à caótica República de Weimar, com as suas dezenas de partidos políticos, quando o mundo ainda digeria a 1.ª Guerra Mundial e vivia os “loucos anos 20”.
Exímia intérprete do “Berlin cabaret” e da “chanson française”, Ute Lemper mostra-nos a razão pela qual a sua performance é tão reconhecida e mundialmente aclamada.

Perante o público que acorreu ao Teatro José Lúcio da Silva, para aquele Last Tango in Berlin, entregou-se a cada canção de forma intensa. A viagem começa em Berlim, em 1945, após o final da 2.ª Grande Guerra, avança aos anos 60/70, recua aos anos 20 e percorre as ruas de Paris. Entre canções, a cantora leva o seu tempo para explicar contextos históricos e alguns factos curiosos sobre os compositores, alternando entre a quietude ou quase sussurro e a explosão declamada daquelas estórias dentro da História, muitas íntimas, todas pessoais. Pelo menos, assim as sentimos, tal a emoção que lhes imprime.
Esguia e elegante, atira o cabelo loiro, ondula os seus braços e vai mexendo as ancas à medida que os temas tomam conta de si, tornando dificílimo ao público desviar por um segundo os olhos daquela figura quase hipnótica no palco. É naquele espaço que a cantora atinge o pleno das suas capacidades, somando voz e gesto, pormenores de interpretação e uma teatralidade sensual intensa. Com 53 anos de idade, a voz de Lemper continua poderosa e aproveita a diversidade do seu reportório para se mostrar em várias línguas – alemão, francês, inglês, espanhol, ídiche.

Se Kurt Weill, o compositor judeu alemão que fugiu aos nazis e acabou refugiado e reconhecido em Nova Iorque, assumiu sempre papel de destaque entre as escolhas da sua compatriota (não faltaram “Alabama Song” e “Mack the Knife”), a verdade é que esta nunca se cingiu a uma dimensão musical. Moram igualmente no coração de Lemper Brecht, Michael Nyman, Astor Piazzola, Jacques Brel, Edith Piaf, Leo Ferré, mas também Joni Mitchell, Van Morrison, Sting, Nick Cave, Neil Hannon, Elvis Costello e Tom Waits. Desta lista, “quem é quem” dos melhores do século passado, saltaram os autores que cantou neste espectáculo, a que juntou criações suas, dedicadas aos poemas de amor de Pablo Neruda (e que fazem parte do seu álbum “Forever”), e baseadas na obra do escritor brasileiro Paulo Coelho, designadamente no “Manuscrito de Accra”, que reuniu no seu mais recente trabalho “The 9 Secrets”.
Ao longo do espectáculo, Lemper cantou-nos várias canções de Marlene Dietrich, incluindo a inconfundível “Lily Marlene”, apenas acompanhada ao piano, e tornou a noite ainda mais extraordinária com a interpretação maravilhosa e totalmente jazzy de “Ich bin die fesche Lola”. A cada momento, Lemper adicionava um novo tempero, uma inflexão nunca antes escutada, garantindo que a sua performance nunca se fica pela repetição. De sorriso ocasional, olhos rasgados, esta alemã transcende-se em palco, demonstrando o que distingue uma diva de uma mera cantora.

Os nossos agradecimentos à organização, na pessoa da Lara Faria, pelo cuidado e simpatia no acolhimento.

Mais textos sobre Música AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *